Ministério da Economia fala sobre o Comitê Nacional de Iniciativas de Apoio a Startups

Rafael Wandrey.jpeg

Em entrevista ao Blog do Instituto Startups, Rafael Wandrey, Coordenador-Geral de Empreendedorismo Inovador da Subsecretaria de Inovação da Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação (SDIC) da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, fala sobre os principais atributos do Comitê Nacional de Iniciativas de Apoio a Startups, seus objetivos e quais foram os critérios estabelecidos para a definição dos seus representantes assim como o grupo consultivo técnico. Com a nomeação de seus membros, Wandrey espera que as instituições integrantes continuem o importante trabalho que tem feito no apoio a startups nos últimos anos e que o Comitê seja um espaço de colaboração, cocriação e diálogo com a sociedade civil e o setor privado.


Instituto Startups (IS): De maneira geral, como você define o Comitê Nacional de Iniciativas de Apoio a Startups?
Foto-Post01.pngRafael Wandrey (RW) O Comitê foi criado para reunir, em uma só mesa, os órgãos e entidades da esfera federal que possuem instrumentos e programas de apoio a startups. O objetivo é articular as diversas ações do Poder Executivo destinadas a essas empresas, de forma coordenada e alinhada. A coordenação do colegiado é exercida alternadamente pela Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação da Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade (SEPEC) do Ministério da Economia e a Secretaria de Empreendedorismo e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

 

“O objetivo do Comitê é articular as diversas ações do Poder Executivo destinadas às startups de forma coordenada e alinhada”

 

(IS): Quais serão os principais objetivos do Comitê a partir da definição de seus representantes e grupo consultivo?
Foto-Post02.png(RW) O Comitê tem dois objetivos principais: o primeiro é possibilitar uma atuação articulada entre todos os órgãos e programas representados. O Comitê vai ser um fórum de compartilhamento de boas práticas e de informações e vai possibilitar que os programas de apoio conversem uns com os outros e falem uma mesma linguagem. O segundo é estabelecer uma “janela única digital” para o cidadão e para o empreendedor, que vai concentrar, em um só portal, as informações  sobre todos os programas federais de apoio a startups: o que eles oferecem, quais são os benefícios de cada um, quais estão com inscrições abertas. O Comitê alinha, desta forma, duas importantes diretrizes do governo federal: simplificação e eficiência da administração pública.


(IS) Agora que os representantes foram definidos, o que você espera da atuação deles?
(RW) Nós esperamos que as instituições membro continuem o importante trabalho que tem feito no apoio a startups nos últimos anos. Esperamos também que o Comitê seja um espaço de colaboração, cocriação e de diálogo com a sociedade civil e o setor privado.

 

“O Comitê será um fórum de compartilhamento de boas práticas, e vai possibilitar que os programas de apoio conversem uns com os outros e falem uma mesma linguagem”

 

(IS) Quais foram os critérios considerados na escolha dos representantes do Comitê e do Grupo Consultivo?
Foto-Post03.png(RW) Quanto à definição dos membros do Comitê, o critério foi objetivo: quais as principais instituições da esfera federal quanto à atuação no apoio a startups? Já para os representantes do setor privado, que compõem o Grupo Consultivo, buscamos selecionar indivíduos com notório saber e experiência na área, ligados a instituições e associações atuantes e representativas do setor.


(IS) Quais são os próximos passos a partir de agora?

(RW) O trabalho nesse momento é o de colocar o portal no ar. Ou seja, captar as informações dos programas de apoio existentes, classificá-las quanto a alguns critérios como o que é oferecido, se requer contrapartida e qual o grau de maturidade esperado das startups, e desenvolver a interface do sistema.


(IS) A pandemia de Covid-19 está na agenda do Comitê? Está prevista alguma iniciativa para lidar com o tema de alguma forma?

(RW) A Covid-19 não foi formalmente pautada como agenda do Comitê, mas sem dúvida está na agenda de todas as instituições membro. Quanto a iniciativas relacionadas ao tema, podemos mencionar o trabalho que temos feito na Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (SEPEC) do Ministério da Economia, prospectando startups com soluções que podem ajudar no enfrentamento da pandemia e realizando, por meio do evento “InovAtiva Conecta: Covid-19”, demodays virtuais que as colocam em contato com entidades públicas e privadas que podem ser demandantes ou apoiadoras dessas soluções, como o Ministério da Saúde, o SENAI e a Embrapii e investidores privados. No dia 29/04 realizamos um demoday onde startups apresentaram soluções de e-commerce e de delivery para micro e pequenas empresas.

 

O Comitê será constituído pelos seguintes representantes:

I – Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia:

Titular: Gustavo Leipnitz Ene; e

Suplente: Igor Manhães Nazareth;

II – Secretaria de Empreendedorismo e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações:

Titular: Paulo César Rezende de Carvalho Alvim; e

Suplente: Otavio Viegas Caixeta;

III – pelo Banco Central do Brasil:

Titular: Aristides Andrade Cavalcante Neto; e

Suplente: Antônio Marcos F. Guimarães;

IV – pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social:

Titular: Filipe Borsato da Silva; e

Suplente: Natalia Cintia Cupello;

V – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico:

Titular: João Luiz Filgueiras de Azevedo; e

Suplente: Vilson Rosa de Almeida;

VI – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária:

Titular: Daniel Trento do Nascimento; e

Suplente: Paulo do Carmo Martins;

VII – Financiadora de Estudos e Projetos:

Titular: Adriano Alves F. Lattarulo; e

Suplente: Raphael Braga da Silva;

VIII – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial:

Titular: Igor Nogueira Calvet; e

Suplente: Bruno Jorge Soares;

IX – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos:

Titular: Paula Borges Gomes Akitaya; e

Suplente: Juliana Costa Vasconcelos Alencar;

X – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas:

Titular: VAGO; e

Suplente: VAGO;

XI – Ministério das Relações Exteriores:

Titular: Emb. Achilles Emilio Zaluar Neto; e

Suplente: Luis Fernando Corrêa da Silva Machado; e

XII – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Titular: Luís Cláudio R. de França; e

Suplente: Fernando Silveira Camargo.

 

Já o grupo consultivo técnico do Comitê será constituído pelos seguintes representantes:

I – Amure Pinho, Associação Brasileira de Startups (Abstartups);

II – Francisco Saboya, Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec);

III – Ingrid Barth, Associação Brasileira da Fintechs (ABFintechs);

IV – Ítalo Nogueira, Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Federação ASSESPRO);

V – Maria Rita Spina Bueno, Anjos do Brasil;

VI – Rodrigo Afonso, Dínamo;

VII – Vitor Magnani, Associação Brasileira Online to Offline (ABO2O); e

VIII – Humberto Matsuda, Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP).

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email