A relação das empresas com as novas tecnologias e a cybersegurança

As novas tecnologias são os motores que impulsionam novas ideias, sejam elas formuladas em empresas da nova economia ou da economia tradicional. A Leroy Merlin, por exemplo, conhecida empresa do varejo de acabamento e decoração, desenvolveu um laboratório de inovação para receber ou formular essas ideias e colocá-las em prática.

Rodrigo Spillere, gerente de inovação da Leroy Merlin, aponta que um dos objetivos do Inova Lab é identificar a mudança comportamental do consumidor e casá-la com a tecnologia mais apropriada para resolução de problemas. “O laboratório de inovação da Leroy está procurando as tecnologias exponenciais para colocar, no timing certo, na experiência do consumidor”, explicou Spillere durante o painel “Novas tecnologias, data drive e cybersegurança” do IX Conference 2020.

Para não perder esse timing, considerado fundamental pelo gerente de inovação da varejista, a empresa analisa semanalmente um portfólio de ideias e de novas tecnologias em desenvolvimento para criar soluções internas. “Isso nos ajuda a não perder o foco nem dispensar muito dinheiro em uma tecnologia que hoje aparece como transformadora, mas que amanhã já é obsoleta”, conta.

O iFood, por sua vez, tem integrado novidades ao seu negócio, já bastante disruptivo. Markus Halbig, gerente de Transformação Digital do iFood, conta que as novidades que a empresa tem integrado ao seu sistema ajudaram a impulsionar o número de parceiros. “Em se tratando de restaurantes, aumentou cerca de 44% os que passaram a atender pela nossa plataforma”, conta.

O iFood adquiriu startups para facilitar o trabalho desses empreendimentos. “Uma delas é a eComanda, uma ferramenta de gestão de clientes para bares e restaurantes. Outra é a Na Mesa, que propiciou QR Codes para fazer pedidos diretamente à cozinha, sem a necessidade do garçom”, conta Halbig ao mediador Marcos Carvalho, diretor geral da ABO2O.

Marcos Carvalho acrescenta que essas tecnologias implementadas gradativamente pelas empresas para melhorar seus serviços são capazes de moldar comportamentos porque trazem benefícios à jornada de consumo. “A gente já sabe como a tecnologia se incorpora nas nossas vidas e passa a ter mudanças comportamentais sem perceber exatamente como isso foi modificado ao longo do tempo”, aponta o diretor geral.

Segurança

Adriana Saluceste, diretora de Tecnologia e Operações da Tecnobank, afirma que a tecnologia é um meio para um fim, que é atender bem o cliente. E atender bem passa também por fornecer segurança. “A gente trabalha muito em parceria com nossos clientes para mapear a jornada do consumidor e entender como as ferramentas podem ajudar a agregar valor. As novas tecnologias ajudam muito nosso segmento, de oferecer segurança para operações financeiras, como ferramentas para análise de riscos, combate à fraude etc.”, explica.

Flávio Levi, diretor regional para América Latina da TrafficGuard, diz que é importante que as empresas estejam atentas ao poder evolutivo das fraudes para que apresente as melhores soluções. “Quando a gente fala de fraude, ela também é mutável. Do nosso lado, é necessário entender e ter o lado preditivo da evolução da fraude”, alerta.

Na equipe da TrafficGuard, 50% dos profissionais são das equipes técnicas e de desenvolvimento para adaptar as novas soluções antifraude. “O nosso desafio é diário. O produto que oferecemos não pode ser obsoleto, por isso trabalhamos sempre evoluindo nossas soluções”, conclui.

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email